Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Redação de aluno libanês recebe menção honrosa

Uma redação que mescla prosa e poesia, intitulada "Minha última refeição" do libanês Rabih El Hachem, aluno do curso avançado de português do Centro Cultural Brasil Líbano, recebeu menção honrosa no concurso de redação "A Bahia de Dorival Caymmi", promovido pela rede Brasil Cultural.

 O texto foi premiado como o melhor de Beirute. Dentista, 57 anos de idade, El Hachem elogia os pratos típicos da Bahia, citando o acarajé, a casquinha de siri, a moqueca e o bobó de camarão. Leia, abaixo, a redação.

 

 

Minha Última Refeição

 

Numa mesa a beira mar da praia vermelha, quero sentir o drinque da água aos meus pés.

O som do mar me agrada, o sorriso e a agitação me trazem as ondas ao meu colo.

É aqui que eu vou ficar

                   me entregar

                   e me deitar

Aqui será minha última refeição. Aqui, com meus amigos pescadores da Bahia.

 

Não me traga vinho francês

                 nem uísque inglês

                 nem sake japonês

Mas uma cachaça para beber e me embebedar na cana da minha cama Bahia.

 

Não gostaria de nachos mexicanos

                  nem pães italianos

                  nem queijos suíços

Eu quero apenas degustar o acarajé e a casquinha de siri típicos da minha Bahia.

 

Deixe-me longe da feijoada

                  da macarronada

                  da galinhada

Mas me deixe perto da moqueca e de bobo de camarão feitos na água da Bahia.

 

O toque das águas baianas já está gelado.

O pôr do sol atravessa o meu olhar junto com os pássaros.

O paladar baiano cala a minha boca.

 

Eu volto a ver minha infância

                  minha ascendência 

                  e minha excelência

sem esquecer minha adolescência , o Zezinho  , e todas as morenas bonitas da Bahia.

 

E doce morrer no mar

Nas ondas verdes do mar.

 

Minha alma já brilha nesta Bahia de todos os santos.

No caminho para o descanso eu encontro um ombro, dois ombros, mil ombros!

Mas choro ouro ao vê-los, meus amigos Jorge Amado e Tom Jobim.

 

No caminho de meu corpo para felicidade eterna ao som de marimbau.

Não desejo encontrar pessoas desesperadas

                    nem lágrimas salgadas

                    nem almas dilaceradas

E sim na minha despedida, o branco da Iemanjá e a alegria do pelourinho da Bahia.

 

Não quero que me coloquem no cemitério da nova construção

                        nem da Consolação

                        nem de São João

Mas com certeza em um lugar na areia, aconchegante iluminado pelos faróis da Bahia.

 

Em sua redação o libanês Rabih El Hachem destaca pratos típicos brasileiros 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página